389 Acessos
Incubadora iniciativa mapeia projetos inovadores e oferece sustentação técnica e de capacitação

Fundada em 2004, com o propósito de fomentar iniciativas de desenvolvimento do setor produtivo rural, a Incubadora de Empresas do Agronegócio da Universidade Federal do Piauí (Ineagro), celebra, em setembro, 17 anos de atividades.

Sob a bandeira de apoio ao microempreendedorismo, a iniciativa mapeia projetos inovadores e oferece sustentação técnica e de capacitação para que novos negócios saiam do papel e ganhem forma, gerando competitividade e diversificação para a economia local.

Ligada institucionalmente a Pro-reitoria de Extensão e Cultura da UFPI (PREX), a Ineagro é responsável pela graduação de 21 empresas, ao longo dos últimos 17 anos e está aberta para ideias tanto do corpo discente da Universidade Federal, quanto da comunidade.

Através de parcerias com o Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas do Piauí (Sebrae), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (Emater), a Federação das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi) e Fundação Cultural e de Fomento à Pesquisa, Ensino, Extensão e Inovação (Fadex) da UFPI e IFPI, são ofertadas capacitações técnicas e uma estrutura laboratorial onde as ideias apresentadas são desenvolvidas.

“Nosso objetivo é ser o suporte, o parceiro, para que essas empresas recém lançadas no mercado não se percam e deixem de existir ainda no seu início de vida. Dessa forma, integramos os projetos encubados junto ao mercado produtivo”, lembra o diretor-técnico da Ineagro, Luiz Augusto de Oliveira.

A entrada na incubadora de empresas acontece por meio de edital. O processo de incubação tem duração de três anos, com possibilidade para prorrogação por mais 12 meses. Atualmente, cinco iniciativas são desenvolvidas com o suporte da Ineagro. São elas as empresas New Hope, Garagem Orgânica, Orgânicos, Tutor Virtual e Ecodrytec.

Gestada e desenvolvida dentro da Ineagro, a Tutor Virtual é um exemplo do trabalho realizado dentro da incubadora. Atuando no segmento de educação a distância e tecnologia, a iniciativa prover inovação tecnológica para empresas públicas e privadas que necessitam melhorar seus processos.

“Entendo o papel da Ineagro como o de servir de apoio, colaborar com capacitação e consultoria, e até mesmo gerar networking, aspectos substanciais na sobrevivência e competitividade da empresa. Tudo isso é importante porque nos ajuda no processo de inovação do negócio e contribui para transformar nossas ideias em produtos prontos para o mercado”, celebra o idealizado da empresa Tutor Virtual, Antônio Carlos Oliveira Silva.

“Após passar pelo processo de seleção do edital, esses alunos e detentores dos projetos passam por uma capacitação junto ao Sebrae, de duração de seis meses. Em um segundo momento, acionamos nossos parceiros para a utilização de laboratórios e do corpo técnico que irá dar suporte a esses empreendedores, enquanto durar o processo de incubação. Essas etapas são imprescindíveis para a longevidade dessas empresas”, explica o professor Luiz Augusto.

A expectativa é de que um novo edital seja lançado ainda no mês de outubro. O novo processo de seleção não deve delimitar um número específico de vagas, possibilitando que todas as ideias apresentadas que possuem potencial possam ser alimentadas.

Além do desenvolvimento de novos negócios, a Ineagro busca também integrar às iniciativas lá graduadas ao mercado produtivo, alimentando o ciclo econômico e tecnológico local.

A Fadex é responsável pela administração financeira dos processos estabelecidos através da  Incubadora de Empresas do Agronegócio.

Incubadora iniciativa mapeia projetos inovadores e oferece sustentação técnica e de capacitação